Educação Biocêntrica: sentir pensar e agir

capa14….assim constatamos que a educação centrou-se, ultimamente, no acúmulo de conhecimento e preparação intelectual e tecnológica tanto dos educandos quanto dos educadores, esquecendo outras dimensões de necessidades do ser humano. (CAVALCANTE, Ruth, 2006, pg 10)

A educação Biocêntrica é uma abordagem nova, que surge a partir de diversos questionamentos e reflexões contemporâneas, que dão vazão a uma proposta de mudança no atual sistema educacional, tendo por base outras dimensões de necessidade do ser humano e do planeta terra. Nossa sociedade requer uma grande transformação, uma mudança profunda, pautada numa nova visão de mundo que seja referência nessa caminhada. Por volta do ano 1970 o professor Rolando Toro, propõe um novo paradigma que ele veio chamar de princípio Biocêntrico, esse problematiza e faz refletir sobre os atuais valores antropocêntricos adotados socialmente pelo sistema educacional.

O Princípio Biocêntrico nos propõe colocar todas as formas de vida no centro de nossa existência, dessa maneira todos os seres vivos, humanos e não humanos, devem ser respeitados sem hegemonia nem dominação de um sobre o outro. Partindo do pressuposto que a natureza e o homem não estão separados, fazem parte da mesma rede que compõe a vida. Esse pensamento, está em consonância com outro paradigma importante para a humanidade, a Ecologia profunda descrita pelo ecologista e filósofo Noruegues, Arne Næss em 1973.

A ecologia profunda reconhece o valor intrínseco de todos os seres vivos e concebe os seres humanos apenas como um fio particular da teia da vida. (CAPRA, Fritjofre Pg.26, 1997).

A educação Biocêntrica faz parte dessa teia, e propõe uma mudança profunda nos conceitos adotados pelo atual sistema educacional. Em busca de uma abordagem em que abarque em sua prática o desenvolvimento integral do ser humano. Visualizo essa possibilidade como uma fonte de água fresca, saciadora da sede de mudança.

Sua prática abarca a experiência da aprendizagem vivencial dos conceitos e valores humanos, uma mudança de valores anti–vida para os pró-vida, a colaboração em detrimento a competição, a confiança e alegria da presença do outro em detrimento a desconfiança e medo, a consciência ética com relação a natureza em detrimento ao consumismo, a aprendizagem a partir da experiência corporal vivencial em detrimento ao racionalismo exacerbado. a integração corpo mente, teoria e prática, a transdisciplinaridade de conhecimentos, o desenvolvimento de vínculos afetivos e a construção de uma consciência ética com relação a vida.

Essa abordagem nos incita a refletir sobre novas perspectivas, e mudanças no processo de ensino aprendizagem e no sistema educacional, a fim de gerar um movimento de autopoietico, ressignificando o ato e o sentido de educar.

O conceito educação pode ser examinado e discutido na visão de diferentes autores, na educação Biocêntrica, a escritora e educadora, Elisa Gonçalves propõe observamos o sentido etimológico da palavra.

Etimologicamente a palavra educação tem duas origens, educare que significa (alimentar) e educere que significa (levar para fora). Por sua vez o verbo é constituído pelo sufixo ex (fora) + ducere (conduzir, levar). Conduzir para fora, exteriorizar as potencialidades que já existem.

Nesse sentido educar passa pelo reconhecimento e valorização dos diversos saberes, e da identidade de cada pessoa, o processo educativo como ferramenta de expressão. Para Elisa, o processo educativo tem como finalidade desenvolver a autonomia individual, para que a pessoa possa descobrir, por si mesma, quais são suas pautas internas, o que a faz verdadeiramente feliz, suas aptidões e potencialidades. (GONÇALVES, Elisa, 2009, pg 16)

Na educação Biocêntrica educar para vida é estimular a potência que impulsiona o movimento expressivo de cada um para o aprendizado e desenvolvimento. (TORO, Rolando, 2009 pg.71)

A fim de aproximar-me do assunto e aprender mais sobre essa abordagem, resolvi estudar por algum tempo de maneira autônoma buscando livros e referências de escolas e cursos.

No ano de 2010 tranquei matricula na Universidade e fui morar no interior do Estado na comunidade de Patrimônio da Penha, lá conheci a educadora Biocêntrica, Laís Bezerra, o educador Sanclair Lemos, atual diretor da escola de Biodança de Vitória. Em uma de nossas conversas recebi a indicação dele para participar da formação de educadores, que acontece todos os anos em Fortaleza CE, oferecida pelo CDH Centro de Desenvolvimento Humano e pela Universidade Biocêntrica, duas ONGs que vem desenvolvendo projetos de formação em Educação Biocêntrica em parceria com a Universidade Federal de Fortaleza.

Com incentivo da UFES – Universidade Federal do Espirito Santo, através da Resolução 29/2099, participei do curso de formação no ano de 2012 em Fortaleza CE.

A formação acima citada, é dada por um grupo multidisciplinar composto por educadores e pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, esses, vem com êxito desenvolvendo os cursos de formação continuada e pós graduação, para educadores, profissionais da área educação, saúde, ciências humanas entre outras.

A educação Biocêntrica é hoje uma importante ferramenta de trabalho, atua na formação de educadores populares, a fim de que estes, possam efetuar uma ressignificação de suas práticas e em maior escala contribuir para uma mudança no atual sistema educacional.

… O princípio Biocentrico é o princípio da educação. Não há nenhum valor no ensino que não se conecte com a vida, para mim. Qual o valor de ensinar a história de guerras, que é a história da mesquinhez e da luta pelo poder, a ausência total de misericórdia, bombardeios? Creio que ensinar é conhecer e sentir a história da grandeza humana, na qual o processo de criação mostre aos alunos outros parâmetros mentais, que não a injustiça, a busca de poder, competição, ambição desmedida, na qual o semelhante não tem valor nenhum. (TORO, 2006, pg. 45)

A ampliação da percepção de mundo, a mudança de referência de paradigma se-faz necessária para uma mudança social, inserir valores humanos na educação, dar visibilidade a ações e acontecimentos históricos ligados a outros padrões de comportamento, do quantitativo ao qualitativo, dos valores anti- vida aos pro- vida. Tanto a Biodança quanto a Educação Biocêntrica incentivam a aprendizagem a partir de um olhar que valoriza a vida em todas as suas manifestações.  Dando ênfase no aprendizado a partir da vivencia e da afetividade.

A ideia básica não é de desqualificar a formação intelectual ou tecnológica, e sim dar ênfase ao desenvolvimento e expressão dos potenciais genéticos que constituem a estrutura básica da identidade. (TORO, 2002, pg.3).

Toro, destaca alguns pontos fundamentais que orientam a educação a partir do princípio Biocêntrico. Dentre eles:

1 – Cultivar a afetividade para superar toda a discriminação social, racial ou religiosa.

2 – Tomar contato com a própria identidade, a fim de educar pessoas para vencerem desafios frente ás dificuldades, terem coragem para defender seus pontos de vista, terem conexão com apropria força.

3 – Cultivar a expressividade e a comunicação para expressar as emoções através da dança e do diálogo, para desenvolver criatividade artística, expressão verbal, oratória e recitação.

4 – Desenvolver sensibilidade cenestésica, percepção do próprio corpo, destreza motora, fluidez, sinergismo, eutonia, natação orgânica.

5 – Priorizar a aprendizagem vivencial, através de oficinas e experiências em ambiente natural.

6 – Integrar natureza no desenvolvimento da consciência ecológica através de visitas ao mar, a montanha, as cachoeiras.

7- Desenvolver e ampliar a percepção musical e leituras de obras de artes plásticas

8 – Expandir consciência ética, a partir da valorização da vida em todos os seus âmbitos.

A educação escolar proposta pelo paradigma moderno, aplicada atualmente nas escolas é radicalmente distinta da proposta da educação Biocêntrica, essa coloca ênfase no desenvolvimento humano enquanto que a educação tradicional forma pessoas para atender o mercado de trabalho, e alimentar o sistema vigente. É muito importante que possamos conhecer outras alternativas de espaços de aprendizagem e escolas, que tem uma visão diferenciada do ensino, visto que este é um movimento que está se fortalecendo, e vem acontecendo em escala global.

Durante o período de formação tivemos a oportunidade de visitamos algumas instituições que investem na formação e capacitação de educadores a partir da abordagem Biocêntrica de educação, uma experiência importante para visualizarmos na prática o funcionamento desses espaços, conhecermos as pessoas que neles atuam, e os conceitos de educação vivenciados por eles. A Universidade Federal do CE, o Banco do Nordeste, a Associação de moradores Bracuí, CDH Centro de desenvolvimento Humano Fortaleza CE, a ONG´s Grão de Luz Griô BA, são exemplos de instituições que trabalham e realizam seus projetos a partir da educação Biocêntrica. Além das escolas de Biodanza espalhadas pelo mundo inteiro.

Um importante documento que registra a abrangência dessa abordagem é “A carta da vida”, essa foi escrita durante o segundo encontro Nordestino de educação Biocêntrica, realizado em Fortaleza CE no ano de 2010, tendo a participação de mais de 600 profissionais da área da educação, da saúde e de movimentos sociais e comunitários.

Carta DA VIDA” movimento de reformulação das bases educativas

Estamos diante de um momento crítico na história da Terra. Devemos nos juntar para gerar uma sociedade sustentável global fundada no respeito a natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade de vida e com as futuras gerações.

A carta da vida representa um convite, um desejo, uma esperança de transformação e de vinculação profunda com a vida. Um chamamento para uma consciência planetária de cuidar da vida em todas as suas manifestações. Destina-se a toda a humanidade como um documento que propõe a apresentar diretrizes e ações para valorização, cuidado e celebração da vida no planeta terra, o qual é participante impar da grande teia do universo, com a sua imensa capacidade de gerar formas distintas de vida na magnifica dança cósmica.

Compreendemos que a vida merece ser enaltecida e considerada como algo sagrado. O mistério que envolve nos incumbe da responsabilidade de preserva-la e reverencia-la em sua grandeza, devendo ser compreendida e colocada acima de qualquer verdade, ideologia ou dogma, para que sua continuidade e evolução possam ser garantidas. Para isso necessitamos tê-la como princípio maior como uma grande mestra de nossas ações no mundo.

Qualquer pensamento atitude movimento nosso devem ter como princípio a vida. Seguir os princípios da carta da vida significa firmar um compromisso de expansão e aplicação do princípio Biocêntrico na escola, nas comunidades, nas organizações e nas diversas instituições criadas pelo ser humano, na busca pela convivência harmoniosa, pelo prazer de estar juntos.

Somente uma educação para o viver, através da valorização do afeto, da vivência da solidariedade, poderá transformar a visão fragmentada da realidade em uma percepção harmoniosa da existência, orientada e vivenciada por um profundo sentimento de amor e pertencimento a vida.

Acreditamos que, com esse compromisso sagrado de respeito a vida, poderemos proporcionar uma mu-dança no curso da história da humanidade, uma inversão dos valores anti-vida, para uma cultura orientada pela vivência do afeto, da alegria diante do outro, da igualdade e justiça, da cooperação, da beleza, do mistério, do contato com a natureza.

A carta da vida nos convida a fazer parte dessa conspiração do amor e do ato de viver.

Caminhos:

  1. Estimular o ato de cuidar como aprendizado contínuo, vivenciando de maneira afetiva e solidária em todas as instâncias da vida social.
  2. Promover a sustentabilidade dos assentamentos humanos, substituindo a tristeza pela alegria, o medo da presença do outro pela confiança de poder caminhar juntos, com respeito à diversidade (de etnia, gênero, Sexualidade, deficiência e outros), na busca incessante pela construção de um lugar onde seja possível a convivência harmônica, orientada pelo acolhimento, nutrição e cuidado com a vida.
  3. Fortalecer a conexão com a vida por meio da expressão dos potenciais Genéticos de Vitalidade, Sexualidade, Criatividade, Afetividade e Transcendência, assumindo-nos como sujeito da realidade social.
  4. Fortalecer a identidade saudável, a integração do Ser, pela vivência da vinculação consigo, com o outro e com a totalidade, tendo inspiração o Princípio Biocêntrico – a vida como centro do Uni-Verso.
  5. Buscar a humanização da escola pelo fortalecimento dos vínculos afetivos, entre educadores e educandos, o que irá facilitar aprendizagens significativas fundamentadas numa educação voltada para a vida.
  6. Promover o desenvolvimento humano e a cidadania por meio das redes de solidariedades universal, cuidando da vida com responsabilidade, amor e ética.
  7. Redescobrir a nossa humanidade, reconhecendo as histórias de vida e valorizando as raízes da nossa ancestralidade, surgida a partir de uma sabedoria universal que se frutifica, por meio do protagonismo, da mestiçagem dos povos, da partilha do conhecimento e da diversidade cultural.
  8. Contribuir para construção de uma cidade saudável, que ofereça oportunidade, de educação, saúde e habitação, saneamento ambiental e lazer. Com respeito, cuidado e amor a todos os seres vivos, tendo a participação popular como elemento central para seu equilíbrio social, ecológico e espacial.

(Carta da vida, Trecho extraído da apostila do curso de formação em Educação Biocêntrica Fortaleza CE, 2010, pg. 05 e 06)

Esse documento propõe um movimento de reformulação das bases educativas, exprime uma síntese da abordagem da Educação Biocêntrica feita de forma coletiva. Permitindo dar visibilidade ao pensamento e atuação dessa rede de educadores, que integra pessoas no Brasil, na américa Latina e no mundo. Uma possibilidade de educação que se constitui no exercício de amor à vida, no encontro e desenvolvimento da relação de afetividade, de cuidado consigo, com o outro, e com o mundo.

Para Cavalcante,

Um dos pilares para seu desenvolvimento é a relação de amor à vida e o desenvolvimento da inteligência afetiva. Rolando Toro, acredita que a afetividade dá estrutura a inteligência, para ele todas as inteligências, motora, espacial, interpessoal, entre outras, tem uma fonte comum, que é a afetividade. (CAVALCANTE, Ruth, 2012, pag. 22)

A afetividade é um canal para que a aprendizagem aconteça de forma efetiva, contribuído para desenvolver os diversos tipos de inteligência. O desenvolvimento afetivo é uma das questões que nos fazem refletir sobre a construção de uma nova base educacional, pautada numa nova visão de mundo, que abarca outros paradigmas, outro sistema de valores.

Se estamos preocupados em formar indivíduos criativos, cooperativos, solidários e fraternos, mais integrados e harmoniosos, capazes de explorar o universo de suas construções intelectuais, teremos de optar por um tipo de paradigma educacional diferente dos modelos convencionais atuais e que, por sua vez, foram influenciados por determinadas correntes psicológicas e filosóficas ancoradas num determinado paradigma adotado pela ciência. Se quisermos formar indivíduos intelectuais e humanamente competentes e bem formados, capazes de aceitar desafios, construir e reconstruir teorias, discutir hipóteses, confrontadas como real, formar seres em condições de influenciar na construção de uma ciência no futuro ou participar dela, então, necessariamente, o paradigma educacional precisa ser revisto. MORAES, Candida(1996:20)

A educação Biocêntrica encontra-se em fase de construção e consolidação de seu potencial dentro do contexto contemporâneo. Uma proposta que abarca uma nova visão de mundo, uma revisão nos atuais conceitos que já não mais atendem os tempos atuais. Para Ruth Cavalcante um dos caminhos para efetivar a mudança de paradigma está na formação de professores.

Tendo em vista que a educação se constitui de um complexo sistema de interações que envolve, educadores, alunos, pais, pedagogos, diretores, funcionários da escola, e comunidade. É passível de visualizar a importância da formação dos educadores.

O que urge nos tempos de hoje é convidar os educadores a uma reflexão no caminho de conhecerem-se a si mesmos, permitindo-lhes assim encontrar-se com o seu saber e a sua sabedoria. (CAVALCANTE, Ruth, 2006, pg.10)

A formação de educadores é realizada através do Departamento de Cursos e Consultorias do Centro de Desenvolvimento Humano – CDH que fica em Fortaleza CE, que desde 1981 realiza formação de centenas de profissionais das áreas de Educação, Saúde e Ciências Humanas em geral, dentro da visão de inteireza do ser

Humano.

Esta abordagem está baseada na ideia de que o ser humano é ao mesmo tempo, criatura e criador. Com capacidade de transformar e recriar espaços, saberes e histórias, mudar nossa forma de ser e de estar no mundo. No ato de reconhecermos como ‘ser no mundo’ cria se sentimento de pertencimento com os demais seres vivos, e ‘ser do mundo’ cria a capacidade de interferir e transforma-lo. CAVALCANTE, Ruth, 2013, pg. 21)

Sua abertura a diversidade e a possibilidade de criação, são potencias que permitem a adaptação dessa abordagem aos diferentes contextos sociais. Transpondo fronteiras entre os diversos saberes, entre as diversas realidades, acontecendo de forma contextualizada em seu meio, desenvolvendo-se a partir do encontro, do fortalecimento dos vínculos afetivos, e da experiência vivencial, facilitando o desenvolvimento das relações humanas.

A educação Biocêntrica tem suas bases teóricas e metodológicas pautadas na educação Dialógica e libertadora de Paulo Freire, nos “Sete saberes” e na Teoria da complexidade de Edgar Morim, e no Sistema vivencial a Biodança de Rolando Toro.

As influências trazidas por Edgar Morin e Paulo Freire trazem uma importante contribuição para construção da abordagem Biocêntrica, agregando conceitos e instrumentos que potencializam a prática metodológica.

Morin, é um pesquisador, filósofo, antropólogo, sociólogo que nasceu em 1921 na França, seu pensamento atravessou o oceano e chegou ao ocidente com um tom questionador, principalmente quando o assunto tratado é educação, publicou mais de 30 livros, e no ano de 2000, a pedido da UNESCO, escreveu um documento que nos aponta uma direção para melhor entendermos o mundo que vivemos com sua complexidade de interações. Em sua obra “Sete saberes necessários para educação do Futuro”, encontramos diversos conceitos que dialogam e se fazem presentes na abordagem da educação Biocêntrica. Dentre eles, a compreensão, é um dos saberes que ele dá mais destaque.

Para Morin,

Ensinar a compreensão é um saber vital a todos seres humanos, qualquer pensamento, atitude ou movimento nosso, deve ter como princípio a compreensão, que se expressa no cuidado e respeito à vida. (MORIN, 2000, pg. 21)

Assim, Morin nos põe a refletir sobre uma nova perspectiva de compreensão da educação, ele nos aponta em seu livro “os sete saberes para educação do futuro”, um prenuncio de mudança, um deslocamento do olhar. Uma nova referência de se constituir o processo de ensino e aprendizagem.

Dentro da perspectiva da educação Biocêntrica, a compreensão acontece primeiramente na relação de encontro consigo, como o outro e com o todo, no exercício participativo do processo educativo, e na criação de vínculos afetivos.  Uma experiência que contextualiza e amplia a percepção das diferentes realidades. Propõe um modo de sentir e pensar que tem como referência existencial, as experiências de cada ser humano atuando na construção de sua própria história.

Uma educação que facilita a expressão da identidade pessoal e cultural, do sujeito e do coletivo, favorece o conhecer, a inteligência afetiva, o despertar da consciência e emancipação humana. (TORO, Rolando, 2002.)

Através da reflexão, diálogo e vivência possibilita o desenvolvimento da expressão, da identidade, da afetividade integrada, da criatividade, da expansão da consciência ética, da inteligência afetiva e razão crítica, possibilitando ao indivíduo a melhor compreensão do seu processo.

Fazem parte dessa abordagem o movimento, a dança, a vivência, o diálogo, a construção de conhecimentos, o reconhecimento da experiência de cada um, a formação de vínculos e a ação solidaria e transformadora.

No Próximo item, vou tratar de um conceito intrínseco que foi incorporado pela Educação Biocêntrica e pelo Sistema de Biodança, a roda e o círculo de cultura. Instrumentos que compõe a metodologia dessa abordagem, facilitando a expressão e a participação critica reflexiva inaugurando um espaço vivencial de troca de saberes, O conceito de Roda ou Circulo é trazido como uma proposta de mudança e reorganização do espaço de ensino aprendizagem.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s